Num momento em que os livros podem se tornar objetos ainda mais raros, o curta-metragem “Leituras” oferece um olhar poético sobre as inúmeras trocas que podem acontecer entre realidade e ficção enquanto ainda existirem leitores e leituras. A produção, livremente inspirada na obra “A Menina de Papel”, de Julián Fuks, estreou na internet no fim de setembro e desde então, pode ser assistida no site www.celacanto.art, com acesso livre e gratuito. Idealizado pela atriz, cenógrafa, professora e pesquisadora Marília Misailidis, o filme foi todo gravado durante a quarentena no apartamento em que mora com o marido Seblen Mantovani, que também assina a câmera e a fotografia da produção.

Voltado para o público infanto-juvenil, o curta de 12 minutos mistura live action, desenho, recortes e animação para contar a história de duas leitoras que pertencem, cada uma a seu modo, tanto ao plano da ficção quanto ao plano da realidade. No desenrolar da trama, elas tomam consciência de si mesmas e de onde estão inseridas enquanto desempenham com o público uma mesma ação: ler.

“Embora exista uma diversidade imensa de textos e possibilidades de leitura, é comum nos depararmos com esforços que acabam por reduzir essa ação a um gesto passivo, onde o leitor é visto como alguém destituído de capacidade e desejo, alguém que se submete a leituras por acreditar que um dia esse ato voluntário de submissão e anulação será recompensado com o poder do conhecimento e do controle”, analisa a autora.

“Diante disso, acho fundamental lembrarmos e apresentarmos outras imagens, em especial aquelas que lembram que a leitura pode ser também um ato de criação, encontro e afeto. Ou ainda, um lugar paradoxal onde o encontro com uma voz alheia só é possível se o leitor for capaz de retomá-la e fazê-la ecoar dentro de si com a sua própria voz”, explica Marília Misailidis.

Em “Leituras”, Marília desenhou mais de 40 ilustrações que compõem a arte do curta-metragem. Tendo como referência estética o artista italiano Virgilio Villorese, ela presta homenagem à antiga tecnologia do cinema usando recursos de animação, que convivem em harmonia com elementos contemporâneos. Marília e Seblen gravaram ao longo de 15 dias em diversos ambientes do apartamento do casal e até no corredor do prédio onde moram, no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Ao todo, foram três meses de trabalho, contando com a pré e pós-produção.

“Esse filme fez meus olhos brilharem. Quero dar continuidade às coisas que acredito, principalmente neste momento em que os livros podem ser taxados e podem se tornar algo raro e cada vez mais elitista”, conclui.