Copacabana completa 128 anos em 6 de julho e para celebrar a data, o Jornal Posto Seis dez livros que têm o bairro como cenário de sua história ou fonte de inspiração. Confira:

Marimbás do Posto 6 (Mauro Franco)

O novo livro de Mauro Franco tem Copacabana como pano de fundo. É no bairro que a trama se descortina. Logo no princípio, a praia é cenário de um violento crime. Outros endereços, como a Colônia dos Pescadores e a Praça do Lido, também ajudam a construir a narrativa, um suspense que prende os leitores do começo ao fim.

Sol e Sonhos em Copacabana (Aliel Paione)

O primeiro volume da triologia do sol se passa no antigo cabaré de Mère Louise, estabelecimento que funcionou em Copacabana no fim do século XIX e começo do XX. Na trama, uma meretriz, amante de um senador da República, é inserida na alta sociedade por um diplomata francês, com quem vive um romance.

Uma Janela em Copacabana (Luiz Alfredo Garcia-Roza)

Outro romance policial que gira em torno do assassinato de três policiais em um curto intervalo de tempo e da mesma maneira. Em meio à investigação, pelas ruas de Copacabana e do Leme, outros crimes se descortinam.

A Invenção de Copacabana (Julia O’Donnell)

O livro é fruto de uma pesquisa, na qual a autora estudou o processo de construção simbólica de Copacabana, inicialmente um areal transformado em um lugar cheio de status. O texto também possui aspectos relacionados ao crescimento urbano associado à modernidade, diferente do ocorrido nos bairros vizinhos.

Copacabana – A Praia dos Prazeres (Raphael Michel)

O livro aborda as complicações do turismo sexual no bairro. Em meio a recortes jornalísticos, escritor retrata a realidade da prostituição e faz um estudo buscando a razão pela qual tantas jovens se rendem a essa forma de sustento.

Cartas de Elise (Luís Ernesto Lacombe)

Trata-se da história real da vida da família do jornalista no bairro que começava a atrair moradores. Bisneto de Gastão Bahiana, que dá nome a uma rua, Lacombe descreve, em meio à trama, os hábitos dos primeiros moradores, assim como o dia a dia daquele areal.

Copacabana: A Trajetória Do Samba-Canção (Zuza Homem de Mello)

Mais um livro fruto de um estudo. Este é resultado de dez anos de pesquisa sobre o samba-canção, gênero musical de maior sucesso no Brasil entre 1946 e 1958 e bastante impulsionado nas casas noturnas de Copacabana, que ganharam fama principalmente após o fechamento dos cassinos.

Ô, Copacabana! (João Antônio)

Em meio a trechos narrativos, crônicas e reportagens, o escritor, que viveu durante muitos anos no entorno da Praça Serzedelo Corrêa, descreve as transformações urbanas principalmente da década de 1970. João Antônio rompe com os ideais turísticos ao apresentar uma Copacabana realista, com ruas esburacadas e preços cada vez mais altos, mas à qual ele demonstra todo o seu amor.

Octavio – O Civil Dos 18 Do Forte De Copacabana (Afonso Licks)

A Revolta dos 18 do Forte de Copacabana, em 1922, foi o primeiro movimento contra sa República Velha Um dos homens que protagonizou aquele episódio foi Octavio Corrêa, civil que, vestindo terno e chapéu, rebelou-se junto aos militares, colocando a honra acima de sua vida. O livro destaca tanto a ação quanto a vida do participante, morto naquela ocasião.

Copacabana (Lobo e Odyr)

Outro livro que narra o submundo da vida noturna de Copacabana, este apresenta a trajetória da protagonista Diana em quadrinhos. Na trama, ela, uma prostituta, precisa arranjar dinheiro usando maneiras alternativas e o resultado é diferente do planejado.