Editora Posto Seis

Editora Posto Seis
Av. Nossa Senhora de Copacabana, 1.133 loja 111
Cep. 22070-010 - Copacabana - Rio de Janeiro - RJ
Telefone: (21) 2523-7853 - Fax: (21) 2521-9597

Editorial | Publicidade | Jornais de Bairros | Mapa Turístico | Contato

Jornal Posto Seis

Edição 454. Clique para ampliar...

Especiais Posto Seis

Edição 2015 - Natal. Clique para ampliar...

Jornal Via Ipanema

Edição 111. Clique para ampliar...

Jornal Via Flamengo

Edição 117. Clique para ampliar...
SurfRio
Solar Meninos de Luz

Parque do Flamengo

Thayssa Rodrigues

Por se tratar de um espaço criado artificialmente, através de aterros realizados na área, o Parque do Flamengo, oficialmente nomeado de Parque Brigadeiro Eduardo Gomes, apresenta uma estrutura impecável, aliando perfeitamente caminhos asfaltados, passarelas suspensas, quadras esportivas, praças, bosques e notáveis jardins, projetados pelo famoso paisagista Roberto Burle Marx, que encantam os visitantes. O local, que liga o centro a Zona Sul foi construído a beira mar e ostenta uma vista deslumbrante, de onde é possível observar ícones importantes da cidade como o Pão de Açúcar e o Corcovado. Pelo trajeto, de 1,2 milhão de metros quadrados, é possível encontrar, ainda, diversas atrações culturais, como o Museu de Arte Moderna, o Museu Carmen Miranda, o Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial e o Monumento Estácio de Sá, além da Marina da Glória e da Praia do Flamengo.

A história do complexo de lazer começou a ser idealizada, em meados da década 1950, pela paisagista e urbanista Maria Carlota Costallat de Macedo Soares, a convite do então governador do estado, Carlos Lacerda. Lota de Macedo Soares, como era mais conhecida, não havia feito faculdade, mas era apontada como sendo dotada de um talento nato, que havia sido moldado por cursos frequentados por ela no Museu de Arte Contemporânea de Nova Iorque. A ideia principal do governo, na época, era resolver o problema de falta de espaço para urbanização da cidade, que crescia em um ritmo acelerado, através do aterro da área composta pela margem da Baía de Guanabara, construindo ali vias expressas de ligação entre o Centro e a Zona Sul. Entretanto, sob o comando de Lota, o projeto recebeu ajustes importantes, que incorporaram a sua estrutura áreas de lazer e jardins, que transformariam o parque em um ícone do Rio.

Após alguns anos de planejamentos, as obras para a construção do espaço iniciaram, em 1961, através do aterramento da região, feito com o entulho proveniente do desmonte do Morro de Santo Antônio (atual Avenida República do Chile), localizado no centro da cidade. Com a iniciativa foi possível transformar em espaços urbanos áreas antes ocupadas pelas águas do mar e moldar, nesse novo solo, um parque inteiramente construído artificialmente. A equipe que liderou os trabalhos ao lado de Lota era formada pelo arquiteto Affonso Eduardo Reidy, do Departamento de Urbanismo da Prefeitura do Rio de Janeiro, e o paisagista Roberto Burle Marx, responsável por toda a área verde que enfeita o projeto, considerada como uma de suas mais belas criações.

O parque foi inaugurado em 12 de outubro de 1965, com uma grande festa em comemoração ao dia das crianças. O lugar foi batizado em homenagem a um dos sobreviventes da Revolta dos 18 do Forte, também conhecido por ter sido Ministro da Aeronáutica durante o governo de Castelo Branco, o militar e aviador Brigadeiro Eduardo Gomes. Há quem diga que é em sua memória que, até hoje, o local sedia eventuais apresentações aéreas, realizadas pela Esquadrilha da Fumaça. No mesmo ano, toda a área do aterro foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).


Entre o extenso caminho formado pelas pistas do aterro, junto aos gramados impecáveis, as quadras poliesportivas, o playground e as passarelas de acesso aos espaços que o compõe, está situada a Praia do Flamengo, em uma estreita e charmosa faixa de areia, também deslocada estrategicamente para lá. A origem do nome para essa parte do litoral carioca se divide em duas vertentes: alguns historiadores apontam ser uma alusão a prisioneiros holandeses, que chegaram a cidade após a batalha de Pernambuco, em 1964, e eram conhecidos por aqui como Flamengos. Outros estudiosos, no entanto, relacionam o nome ao animal flamingo, um pássaro rosa que costumava frequentar as encostas da região, em seus tempos primórdios.


Além da praia e de todas as atrações já citadas, os visitantes do parque contam ainda com a possibilidade de conhecer alguns museus e monumentos, instalados dentro do território. Confira, a seguir, a localização e a história de cada um desses locais.

Museu Carmen Miranda (Av. Rui Barbosa - em frente ao nº 560 - Parque do Flamengo)
O Museu Carmen Miranda é dedicado a memória da cantora, mundialmente conhecida e considerada um mito da cultura brasileira. O espaço, criado oficialmente em 1956, um ano após a morte da artista, foi aberto ao público apenas vinte anos depois e segue sendo, até hoje, uma rica fonte de informações sobre sua carreira. Composto por mais de 3 mil itens, o local expõe as principais marcas da estrela, como suas vestimentas mais famosas e seus característicos acessórios, em um acervo doado pela família da cantora.

Museu de Arte Moderna - MAM (Avenida Infante Dom Henrique, 85 - Parque do Flamengo)
Em 1958 foi inaugurada a sede do MAM (localizado entre o Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial e o Aeroporto Santos Dumont), em uma mostra cultural ilustrada por trabalhos do pintor inglês Bem Nicholson e outros nove artistas, todos escultores britânicos. O espaço passou a apresentar, desde então, diversas exposições culturais em seus modernos salões envidraçados, que logo conquistaram o público.

Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (também conhecido como Monumento aos Pracinhas - Avenida Infante Dom Henrique, 75 - Parque do Flamengo)
O espaço cultural destinado a homenagear os 468 soldados brasileiros mortos durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália, foi criado em 1960, quando os restos mortais desses combatentes foram trazidos para o Brasil. Na ocasião, foi construído um mausoléu, no subsolo do monumento, idealizado pelo Comandante da Força Expedicionária Brasileira, Marechal João Baptista Mascarenhas, e projetado pelos arquitetos Marcos Konder Netto e Hélio Ribas Marinho para guardar os referidos corpos. A parte superior do local abriga uma escultura de metal em homenagem a Força Aérea Brasileira(FAB), produzida pelo artista Júlio Catelli Filho; uma escultura de granito em homenagem aos Pracinhas, desenvolvida por Alfredo Ceschiatti; e um salão destinado a expor objetos usados durante as operações de guerra. Além disso, todos os anos, no primeiro domingo do mês de outubro, o lugar sedia a cerimônia de troca de guarda entre as forças armadas.

Monumento Estácio de Sá (Avenida Infante Dom Henrique s/n - Parque do Flamengo)
O Monumento Estácio de Sá, como o próprio nome já indica, homenageia o fundador da cidade do Rio de Janeiro, através de um interessante projeto arquitetônico desenvolvido pelo renomado profissional Lúcio Costa. O local se divide em dois espaços, sendo um deles externo, onde se encontra uma estrutura imponente em forma de pirâmide, feita em granito e disposta sobre um terraço de pedra, e um ambiente interior, no subsolo da construção, onde está exposta para apreciação popular a lápide do português, transladada para lá.
A parte do subsolo recebe, eventualmente, algumas exposições culturais, enquanto a área superior, apesar de não ser oficialmente um mirante, é um ponto de observação da paisagem muito admirado pelos visitantes. Ao fundo do cenário é possível contemplar a Enseada de Botafogo e as montanhas da região, dentre elas, o Morro Pão de Açúcar.


Marina da Glória (Avenida Infante Dom Henrique s/n - Parque do Flamengo)
A Marina da Glória foi construída em 1976, seguindo um projeto do arquiteto Amaro Machado, previamente aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), já que o espaço fica dentro dos limites do Parque do Flamengo, tombado pela instituição desde o ano de sua inauguração. Trata-se de um porto náutico, destinado a esportistas e visitantes, que dispõe de um cais flutuante e uma área social, composta por restaurantes e lojas, além de um tanque, de cinco metros de profundidade, onde são ministrados cursos de vela, pesca e mergulho.

Fontes:
In: http://www.rio.audax.org.br/2008/01/histria-do-trajeto-iv-aterro-do.html
In: http://rioshow.oglobo.globo.com/passeios/atracoes-turisticas/aterro-do-flamengo-842.aspx
In: http://www.oriodejaneiro.net/aterro-do-flamengo.htm
In: http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=marcos_texto&cd_verbete=3967
In: http://www.wikirio.com.br/Aterro_do_Flamengo
In: http://www.riodejaneiroaqui.com/portugues/fl-historia.html
In: http://www.museusdorio.com.br/joomla/index.php?option=com_k2&view=item&id=54:espa%C3%A7o-cultural-do-monumento-aos-mortos-da-segunda-guerra-mundial&Itemid=210
In: h
ttp://portal5.rio.rj.gov.br/web/riotur/exibeconteudo?article-id=157758

Voltar...


FaceBook...
Flickr...
Mantenha-se informado:
 
Rio Turístico...
Turismo...
Resumo das Telenovelas...
Condomínio...
Comunidade...
Gourmet...
P6 Saúde...
Mapa de Copacabana (1.3Kb)
Clique para fazer o download...
Mapa de Ipanema (1.4Kb)
Clique para fazer o download...
Locais de Distribuição:
CLIQUE AQUI!
 
Compras Coletivas...
Compartilhe...
Compartilhe...
Compartilhe...
Compartilhe...
Industria Virtual...

Os textos assinados são de responsabilidade dos autores,
que os cederam gentilmente e podem não refletir a opinião do editor.