Ao chegar na CTI, tubos de respiração, cuidados especiais e um ambiente triste é o que se vê. Contudo, na ala do quinto andar do hospital Universitário Pedro Ernesto, Aline Korb Mendes consegue sorrir e ter a pintura como sua inspiração. A artista tetraplégica mora no local desde que foi abandonada por sua família em 2001. Na tarde desta terça feira,19, ela recebeu a mais alta homenagem da Editora Posto Seis: “Comenda Emília Amália”, através do do jornalista Mauro Franco.

A jovem de 30 anos, encontrou na arte uma forma de ser mais alegre. Como é tetraplégica, Aline, pinta com o pincel na boca e consegue produzir uma obra de qualidade. Ela conta que prefere fazer paisagens, e que leva de duas a três horas para fazer um quadro. Ela se sente agradecida pelo certificado que ganhou, com um sorriso iluminado no rosto. A ideia deste é homenagear mulheres que têm um destaque na sociedade, por algum motivo: ou porque realizaram um trabalho social, ou porque se destacam por alguma diferenciação que chame a atenção.

“Toda quarta eu pinto, esse é o dia que eu separo”- afirma Aline, com muita alegria. Aline Korb Mendes, portanto, está em uma cama de hospital desde 2001, mas sorri, usa maquiagem, ajeita o cabelo e consegue, em meio a esse caos que é viver anos no CTI, levar um dia de cada vez não só de tristeza. Ela luta para que o dia seguinte seja melhor e sonha com uma obra sua em algum museu.