Aos dez anos, a moradora do Copacabana Duda de Paula é destaque no The Voice Kids. A menina conquistou os três jurados, sendo aprovada por todos antes de escolher seguir na competição, representando o time da cantora Cláudia Leitte. O sucesso no programa acompanha a trajetória da pequena artista, já acostumada a se apresentar em lugares como o Beco das Garrafas e o Cristo Redentor.

“Sempre fui muito musical. Eu desenhava cantando”, comenta Duda, que sempre teve facilidade em memorizar músicas e cantá-las de forma afinada. Aos seis, foi convidada para se apresentar na Paróquia Nossa Senhora da Conceição da Gávea, então frequentada por sua família, mas foi na São José da Lagoa que a menina ganhou visibilidade. Inicialmente, ela participava nas missas infantis, mas após fazer a primeira comunhão, foi chamada pelo Padre Omar Raposo para realizar a mesma função à noite, para os adultos. Surgiram, então, inúmeros convites para se batizados e casamentos.

Nessa época, a menina já sonhava em integrar o The Voice Kids antes mesmo de a primeira versão infantil ser produzida: “Eu brincava de ser jurada em casa. Queria me inscrever, mas o mínimo de idade era nove anos”. Mesmo assim, certa vez, saindo da praia, fui um músico tocando em um quiosque e pediu licença a ele para gravar um vídeo para enviar à Rede Globo. O artista concedeu o espaço e, encantado com a garotinha, a convidou para cantar mais vezes, o que aconteceu durante algumas semanas.

Apenas em janeiro de 2019 que sua inscrição, finalmente, foi feita. O processo seletivo foi no mês seguinte e já naquela data, ela foi aprovada para entrar no programa, o que a família soube apenas depois. Durante meses, não houve nenhuma resposta da emissora, mas Duda não parou. Ela cantou no alto do Cristo Redentor em uma missa realizada por Dom Orani Tempesta em memória às vítimas de Brumadinho. Depois, foi convidada para o evento em homenagem aos dez anos da morte do surfista Guido Schäffer, onde se apresentou com os seminaristas e, depois, sozinha, o que resultou em um show de cinco horas. Em paralelo, diante da possibilidade de competir no The Voice Kids, intensificou as aulas de canto e recebeu ajuda de uma fonoaudióloga, que a preparou para a gravação ainda incerta.

Apenas em novembro a produção procurou sua mãe, Martha de Paula, para gravar um perfil com a menina, que ainda não sabia que estava do elenco da edição 2020 do programa. Nem todos os concorrentes passam por esta etapa, mas um detalhe no vídeo da inscrição chamou a atenção da emissora: suas bonecas. “A Duda ama brincar com elas e depois que o programa foi ao ar, muitas mães têm me dado feedback sobre suas filhas ainda brincarem”, conta Martha. Além delas, Duda se diverte também desenhando, pulando amarelinha e elástico, indo à praia e, como a maioria das crianças de sua idade, brincando com slime e jogando em celulares.

A gravação de sua audição é lembrada com muito carinho pela participante: “Fui a primeira a me apresentar (naquele dia). Fiquei muito nervosa!”, cita, mencionando o carinho de todos após sua aprovação. Sua tensão foi complementada pelo espetáculo teatral produzido pelo Colégio Mallet Soares, onde estuda, e do qual foi protagonista. A encenação foi no dia seguinte e Duda teve que se preparar para as duas participações simultaneamente. Quando o programa foi ao ar, seus colegas de turma reforçaram a torcida. Todos assistiram juntos, vestindo camisetas com fotos da menina. “A diretora até chorou de emoção”, comenta Martha.

A exibição a levou ao Beco das Garrafas, mesmo palco onde foi iniciada a carreira de Elis Regina, uma de suas referências – além dela, Duda também escuta muito Marisa Monte, Gonzaguinha, Melim e Banda do Mar. O convite surgiu por uma coincidência: “A gente estava em um Uber conversando sobre o programa e o motorista entendeu que eu era do The Voice Kids. Ele era o produtor do show que o Elohim Seabra iria fazer lá. Cantei no carro e ele me convidou para ir”, diz Duda, que, antes de assumir o microfone, foi percebida pela produtora de Byafra, que também se apresentaria. Ao explicar o que estava fazendo ali, foi convidada para participar do show dele, que acontecia na hora, e surpreendeu a todos iniciando, sem ensaio, “O Bêbado E O Equilibrista”, cantada a capela – os instrumentos a acompanharam apenas do final da canção para o final. Depois, retornou ao palco com “Como Nossos Pais”, seguindo os passos de sua ídola.

Desde então, a menina recebeu convites diversos para outros shows, mas por restrições contratuais com a emissora, foi obrigada a recusar todos. Ela acredita, entretanto, que novos surgirão após o fim do programa. A data da exibição de sua próxima participação ainda não foi divulgada.