O Caminho dos pescadores, no Leme, foi reformado pela superintendência Regional da Zona Sul. A ação, feita em parceria com a Orla Rio, recuperou os pilares e substituiu os guarda-corpos, que estavam danificados. A ação foi finalizada no fim de março, quando o espaço, revitalizando, foi devolvido à população.

A obra durou uma semana e foi feita em etapas. A conclusão agradou os frequentadores.  “Ficou muito bom! Estava tudo arrebentado. Ficou ótimo! Eu tinha medo de chegar perto (do muro). Agora vou me aproximar para ver o mar”, elogia uma moradora do bairro.

Apesar das ações de reconstrução, as visitas da equipe do Jornal Posto Seis evidenciaram a necessidade de trabalhos recorrentes no local, policiado por equipes do Copacabana Presente em todas as idas. Ainda durante a reforma, era possível sentir cheiro de urina em diversos trechos da pedra, apesar de a Comlurb afirmar limpar o local diariamente. Além disso, há cerca de um ano, uma placa com dizeres religiosos foi cimentada ao lado da previamente instalada pela Prefeitura para anunciar o novo nome do local (rebatizado Caminho dos pescadores Ted Boy Marino em 2014). Na parte debaixo, um altar foi erguido, também com pedras concretadas, desconsiderando se tratar de um cenário tombado pelo Inepac.

Consultada, a Orla Rio afirma ter atuado em 130m de murada e substituído a mesma extensão de cabos de aço. Foram também reformados 45 pilares. Por sua vez, a Secretaria Municipal de Infraestrutura Habitação e Conservação não se manifestou acerca da necessidade de outras intervenções.