Quando pensamos na Páscoa, a primeira coisa que vem à cabeça é a quantidade de chocolate que será consumida. E, nesse período, muitos donos de pets querem compartilhar os deliciosos chocolates com seus cães. Porém, o chocolate é um verdadeiro veneno para os bichinhos, podendo conter substâncias tóxicas. Elas possuem teobromina e cafeína, gerando um quadro complicado. “Os cães podem apresentar quadros de vômitos, diarreia, excitação e outros”; afirma Thayane Rodrigues,veterinária da ComportPet.

Os cães apresentam lenta eliminação da teobromina. “Essa substância está diretamente relacionada à quantidade de cacau presente no chocolate: quanto mais cacau, mais teobromina e, consequentemente, mais tóxico o produto é para o cão. Embora todos os tipos de chocolate ofereçam riscos, os mais escuros e amargos são ainda mais perigosos”, alerta a especialista.  Thayane explica que os sintomas podem começar a aparecer de 6 a 12 horas após a ingestão do chocolate e podem persistir( por até 6 dias).  Se o animal apresentar sintomas mais leves, pode ser resolvido com uma dieta adequada e probióticos, mas caso os sintomas sejam mais severos – além da falta de apetite -, outros tipos de cuidados podem ser necessários”, explica a veterinária.

 O especialista em comportamento animal e proprietário da ComportPet,especialista em comportamento animal, atua como adestrador de cães há 12 anos Cleber Santos, explica que uma dica essencial é que, desde filhote, o pet seja ensinado sobre o que pode ou não fazer. “Eles devem aprender, desde filhotes, a comerem somente em suas tigelas. Assim, eles irão entender que as comidas em cima da mesa ou em outros locais, como é o caso do chocolate, não são para eles”, ensina. Outra dica é não deixar o produto em uma altura facilmente acessível a eles, para que eles não os roubem e os comam.

Outro motivo que leva os cães a procurarem e roubarem outros alimentos pela casa é a fome. “É obrigação do dono manter a rotina de alimentação do pet em dia, seguindo os horários corretos”, explica o especialista. Porém, Cleber alerta que a personalidade, o estresse e o tédio do cão também irá afetar nesses caso: “Esses animais são muito apegados e, quando estão sozinhos, desenvolvem o estresse. Uma vez estressados e entediados por estarem sem companhia em casa, fazem de tudo para chamar atenção, como roubar comida”.

O tutor exerce papel fundamental para evitar que o seu cãozinho não roube seus deliciosos chocolates, pois eles têm o dever de ensinar que isso é errado e deve colaborar também não oferecendo comida a eles ou cedendo aos seus pedidos. “Esse é um erro muito comum dos tutores. Quando estiver comendo, evite deixar que o cão apoie as patas na mesa ou pule em suas pernas. Se ele latir, querendo chamar sua atenção, ignore e não ceda”, finaliza o especialista.

Caso o seu cão tiver comido chocolate, a primeira coisa a ser feita é procurar orientação veterinária o mais rápido possível. E, caso você saiba, informe ao profissional a quantidade e o tipo de chocolate ingerido, para que ele defina os próximos passos e quais podem ser os sintomas que o cão irá apresentar. Porém, Thayane alerta que o melhor é levar o cãozinho ao veterinário antes mesmo de os sintomas aparecerem. “Os sinais da intoxicação podem variar e todos os tipos de chocolate fazem mal ao cão, mesmo os que têm baixa concentração de teobromina, como é o caso do chocolate branco”, fala.

Créditos: Envato Elements

Caso você queira presentear seu cãozinho na Páscoa com um chocolate, como manda a tradição, nos mercados pet estão disponíveis diversos desses produtos, feitos especialmente para os animais. “Esses chocolates são feitos de alfarroba e não tem adição de teobromina ou cafeína, não sendo tóxicos para os cãezinhos. Além disso, a alfarroba é um fruto rico em vitaminas e minerais, o que faz dela um produto que pode ser oferecido sem exageros para os nossos pets”, conclui.

Créditos: Envato Elements