A escritora, radialista, poetisa e musicista Larissa Loretti foi homenageada na sessão de abril da Academia Nacional de Letras e Artes (ANLA). Nesse mês, excepcionalmente, o encontro foi conduzido pela vice-presidente, Fany Rodrigues, que leu o currículo da acadêmica, que ocupa a cadeira 21 da instituição e estava presente na data.

Iniciando a reunião, a diretora social Gilda de Souza Campos falou de qualidades de Larissa: “Ela é uma imensa luz entrelaçada na poesia d’alma”, disse, antes de mencionar que o primeiro reconhecimento foi entregue quando à autora apenas nove anos, em um prêmio literário promovido pela Caixa Econômica Federal. Em seguida, citou outras honrarias e méritos, como as apresentações no Instituto Romão Duarte.

Em seguida, a acadêmica Denise Teixeira definiu a agraciada como uma maestrina das palavras. Lembrou ainda que a escritora já ocupou a presidência da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil, o que fez outra componente da ANLA, Maria Amélia Paladino, questionar: “apresentar Larissa Loretti é necessário? Quem não conhece essa jovial senhora?”. Em seu discurso, destacou o talento musical, destacando as habilidades no piano, no teclado ou no violão, instrumentos muitas vezes acompanhadas por seu canto.

Outros integrantes foram convidados a falar sobre a homenageada, mas alguns optaram por declamar poesias, como fizeram Ângela Guerra, que recitou uma escrita para Larissa na ocasião do aniversário dela em 2013, e Idalina Gonçalves Dias, que optou por uma de autoria da poetisa, “Além do Ontem”. Já Edna Itaipava citou que ambas nasceram na mesma data, 18 de julho, considerado o Dia do Trovador, e frisou que, apesar de tantas qualidades, tem afinidade com a autora por ambas serem defensoras da causa animal.

Encerrando o encontro, Gilda destacou que Larissa é uma pessoa com muita luz e que deveria ser homenageada com muita música. Mostrando seu talento, foi a própria quem se apresentou, acompanhada dos demais artistas presentes. O sucesso foi tanto que a presidente da Associação Brasileira de Belas Artes, Vera Gonzales, a convidou para fazer um hino para a academia, que completa 70 anos em 2018, ainda sem uma canção representativa nem uma sede própria.

As reuniões da ANLA são mensais e acontecem na Rua Teixeira de Freitas, 5, 3º andar.