José Manoel Rebouças, o presidente da colônia, e Manasi Rebouças, o organizador da exposição

Nos dias 21 e 22 de novembro, a Colônia de Pescadores Z13, no Posto 6, ganha uma exposição contando sua própria história. A mostra poderá ser conferida no centro de visitantes do próprio endereço e proporcionará ao público a oportunidade de conhecer o passado da instituição. Na mesma data, ocorrem ainda o lançamento do livro “Marimbás do Posto 6”, do jornalista Mauro Franco, cujo cenário principal é a Z13, e a exposição temática do artista plástico Cassimiro.

O passado dos pescadores na região confunde-se com o de Copacabana. Foram estes profissionais que, em 1858, avisaram sobre duas baleias encalhadas, aumentando o interesse da população e do imperador D. Pedro II pelo areal muito distante do Centro, o que deu início aos primeiros investimentos na área. Com o passar dos anos, os trabalhadores do mar tornaram-se os primeiros guarda-vidas, atuando naquele trecho da praia antes mesmo de essa função ser oficializada.

Em 1912, grupo de pescadores atuava no mesmo lugar da Z-13 (Fonte: Revista Fon Fon)

Apesar de haver registros de outras colônias naquele mesmo canto da praia ainda no século XIX, foi apenas entre 1919 e 1923 que a Marinha de Guerra Brasileira reorganizou as já existentes, fundando a então chamada Z 14 Aimbire naquele espaço – a nomenclatura Z-13 era associada, naquele momento, à de Botafogo e posteriormente chegou a nomear a de Guaratiba até, finalmente, ser cedido a Copacabana. Já naquela época, a instituição representava núcleos em vários endereços na cidade, divisão que segue nos dias atuais. Os materiais desse momento inicial, no entanto, não existem mais, mas a exposição conta com itens datados desde 1929.

“O centro de visitantes da colônia era aberto ao público. Quando o projeto Ilhas do Rio saiu de lá, a gente quis mostrar a história dela”, conta o idealizador da mostra, Manasi Rebouças. Coube a ele, que é filho do atual presidente, Manoel Rebouças, organizar os artigos que compõe a exibição, que poderá ser visitada apenas nos dias 21 e 22 de novembro (sábado e domingo). “A gente tinha previsto fazer em janeiro ou fevereiro, mas com a pandemia, fomos adiando”, detalha.

Mauro Franco, autor de “Marimbás do Posto Seis”, e José Manoel Rebouças

Em paralelo, outras atrações acontecerão no local. Na primeira data, a partir das 16h, o jornalista Mauro Franco lança o livro “Marimbás do Posto 6”, seu novo romance. O título foi disponibilizado para leitura em plataformas digitais, em junho, mas ainda não foi apresentado, fisicamente, aos público, que terá a oportunidade de adquiri-lo. A trama policial mostra a Z13 como cenário de um assassinato e, em meio às investigações, as histórias dos personagens se desenrolam, expondo aos leitores detalhes como o dia a dia dos pescadores.
A capa do livro é ilustrada por um trabalho do artista plástico Cassimiro, que também participa do evento. O pintor apresenta 10 telas inspiradas na colônia, complementando o trabalho de apresentação da instituição. Ele promete, ainda, levar duas peças inéditas retratando cenas de “Marimbás do Posto 6”, apresentando mais detalhes do livro.

A exposição conta com os seguintes apoios: Peixe do Mana, Jornal Posto Seis, Elisânia Rebouças Psicologia, Instituto Mar Urbano, A&E Tour, SUP Copa, Esquilo Sports Club, Copa Va’a, Instituto Mar Adentro, Gladiadores e Natação no Mar.