Professor da IBE Conveniada FGV, João Marcos Borges (Foto: Divulgação)

Tendo em vista a crise causada pela Covid-19, somada ao endividamento das famílias devido as crises dos últimos anos, neste ano, o Dia dos Pais foi mais singelo. A previsão era apontada, antes, pelo professor de Ciências Econômicas e Contábeis da IBE Conveniada FGV, João Marcos Borges, que é mestrando em Gestão para Competitividade, Finanças e Controladoria.

Esperadas com ansiedade, as datas comemorativas são importantes para o comérci. No entanto, a crise provocada pelo vírus, trouxe além dos tristes impactos à saúde, o desaquecimento econômico, desemprego e muitas incertezas sobre o futuro. “Para os varejistas, é momento de analisar bem o comportamento dos clientes, identificando os produtos que não podem faltar no estoque, evitando assim, perder vendas. Além disso, é necessário deixar de lado as compras de produtos com baixo giro”, aconselha o professor.

Segundo o especialista, apesar da reabertura gradual do comércio, os empresários continuam cautelosos para reabastecer seus estoques. Além disso, para os consumidores, o auxílio emergencial do governo sofreu algumas modificações no calendário e não contemplou todas as famílias necessitadas. “Em conjunto, esses dois fatores promoverão um menor movimento de compras no comércio, pois está faltando dinheiro no bolso do brasileiro para as compras não essenciais”, ressalta Borges.

Lojas físicas X lojas online

Sobre as expectativas das compras, João Marcos, ressalta que as compras feitas de forma online facilitam o ato em si, ou seja, é possível fazer a compra e receber os produtos com apenas alguns cliques e sem sair de casa. “Nesse ano, a grande barreira para o comércio eletrônico será, de fato, a renda das pessoas, ou melhor, a falta de renda, devido ao desemprego e crise prolongada impactando o orçamento”.

Já para as compras em lojas físicas, ele explica que a flexibilização, seguindo as fases de reabertura dos comércios, traz uma luz para os empresários. “Afinal, grande parte das lojas ainda não tem um e-commerce preparado para atender as demandas, sendo o atendimento presencial o grande diferencial e potência delas”, comenta o especialista em ciências econômicas.

Para muitos empresários, a celebração de uma data comemorativa em meio à crise, torna a concorrência ainda mais acirrada. Frente a isso, seja na loja física ou no e-commerce, o professor explica que o segredo é atendimento rápido, oferta de produtos de qualidade, preços competitivos e antecipação às tendências, estando atendo aos desejos do cliente.

“É preciso exercitar a eficiência diariamente, enfatizando a redução de custos e corte de despesas. Tenha uma boa estratégia de marketing com a divulgação dos seus produtos e serviços. Isso traz novos clientes e fideliza os já existentes e fãs da sua marca”, explica.

Dicas do especialista

O professor elenca três dicas para que os empresários faturem mais. Confira:

• Tenha preços competitivos, focando no volume de vendas;

• Agilidade na reposição de estoques. O cliente espera um serviço de excelência nas entregas;

• Tenha produtos e atendimento de alto nível. Segundo o professor, os clientes desejam isso em todas as áreas de atuação e estão cada vez mais exigentes. É necessário estar atento aos detalhes.

“Negocie com seus fornecedores uma condição de pagamento com melhor preço ou prazo. Pense numa estratégia que possa incentivar seus clientes a retomarem suas compras, mas sem fazer loucura e apertar o fluxo de caixa da empresa, muita cautela neste momento de crise”, alertou o professor da IBE Conveniada FGV.

Já para os consumidores, o professor reservou cinco dicas para que eles façam boas compras, mas sem gastar muito.

• Defina a compra com racionalidade;

• Pesquise as opções disponíveis e compare preços. “Na internet é possível encontrar sites que fazem a comparação dos preços, indicando os pontos de vendas, onde a economia será maior. Reserve um tempo para fazer essas pesquisas”;

• Não compre por impulso, o momento econômico é de cautela. Faça a seguinte pergunta para você mesmo: “Eu realmente preciso fazer esta compra ou a pessoa que será presenteada pode esperar mais um pouquinho?”;

• Se possível, pague à vista e evite acumular dívidas no cartão de crédito;

• Mesmo sendo uma data importante, se não tiver o dinheiro suficiente para comprar à vista, adie a compra e junte todo o dinheiro necessário. Dessa forma, é possível obter bons descontos nas lojas físicas.

“Em breve, essa crise vai passar. Juntos vamos superar esse momento difícil”, finaliza.