O Natação no Mar, que treina no Posto 6 de Copacabana, comemorou o reconhecimento conquistado pela empresa patrocinadora do núcleo de Rio das Ostras, Subsea 7, que ficou em primeiro na categoria “Desenvolvimento do Rio” no Prêmio Faz Diferença, da Firjan. Além de uma série de palestras apresentando a ideia, o grupo também promoveu um intercâmbio entre seus membros, recebendo atletas cariocas no treino da Região dos Lagos na manhã do dia 8 de março.
Segundo a coordenadora do programa, Izabel Thomas, cerca de 280 alunos estiveram na Praia Boca da Barra naquela manhã, divididos em duas turmas. “Tenho ido a Copacabana, mas o pessoal de lá quase nunca aparece aqui. É legal essa troca!”, apontou. Marcando a integração entre os núcleos, ela e o padrinho da divisão do Posto 6, Luiz Lima, juntaram-se em um ciclo de palestras sobre a iniciativa, nas quais apresentaram-na aos funcionários da Subsea 7 nas duas cidades em que a ideia é implantada.

Estimulando os nadadores de Rio das Ostras, Lima, que disputou as olimpíadas de 1996 e 2000, contou sua trajetória para estimular o grupo, composto também por muitas crianças em Rio das Ostras: “Eu morava em Campo Grande e, aos cinco anos, comecei a nadar e já sonhava em ser atleta olímpico. Meus pais se mudaram para o Grajaú e depois, para perto do Fluminense (cuja sede fica em Laranjeiras). Meus pais deram asa aos meus sonhos”, lembrou, dizendo ter conhecido 35 países graças ao esporte.

Em seguida, falou de sua ligação com o Natação no Mar, lembrando ter levado o projeto a Copacabana após encerrar sua carreira, marcada também por travessias em águas abertas. Lima também orientou os participantes sobre como melhorar suas performances, ensinando desde a posição certa das pernas até o melhor movimento a ser feito com os braços.

Encerrando a confraternização, Izabel lamentou que o programa não funcione mais como projeto social. “Quando era de graça, havia 3 mil pessoas na lista de espera. Cadê elas agora? Falo para quem não tem dinheiro vir conversar, mas elas não vem”, finalizou.