O espetáculo “Café com Rivotril”, com texto e produção de Manuela Rainha, é uma crítica social que aborda temas como o desemprego de artistas, a automedicação, a depressão, o alcoolismo e autoexposição nas redes sociais. A encenação está em cartaz até 10 e 17 de fevereiro, às 20h, no Teatro Cândido Mendes, em Ipanema.

     A montagem apresenta o cenário do subúrbio carioca a partir da história de três amigos que são atores e estão desempregados: Cláudia, uma mulher bem resolvida e vaidosa, mas que acredita ser melhor que os outros; Mariana, que é também bailarina e tem um estilo zen e Fabrício, que é gay e acabou um mestrado sobre a presença de palco do ator. Eles acabam morando juntos para dividirem as despesas: Nas buscas por trabalho e sobrevivência, se tornam artistas multimídias,permeando em diversas áreas e também se colocando em inúmeras confusões.

     Segundo a atriz, produtora e autora Manuela Rainha, criar essa montagem foi a salvação de sua vida e uma experiência indescritível. “Eu tenho depressão há 25 anos e é necessário que essa doença não seja mais um tabu. ‘Café com Rivotril’ reforça esse tema. É uma tragicomédia composta por uma equipe de atores e amigos há 15 anos, todos formados em artes dramáticas. A trama busca trabalhar com questões que perpassam o dia a dia de diversas pessoas”, completa. A atriz conta que interpretar um dos personagens está sendo um presente e um desafio: “Ela é muito importante pois ela ocupa um lugar de fala que eu não tenho na vida real. A depressão, na peça, não é tratada como um tabu, como acaba sendo fora do palco. Eu estou realizada e desejo vida longa à Café com Rivotril”, finaliza.

Serviço:

Temporada: até 17 de fevereira, segundas-feiras às 20 h.

Local: Teatro Cândido Mendes – Rua Joana Angélica, 63 Ipanema

Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20(meia)

Classificação: 14 anos

Duração: 50 minutos

Capacidade: 99 pessoas