Luiza Lunardi

Buscando ampliar e democratizar a inclusão digital para pessoas autistas e com deficiência intelectual, o Projeto Participar oferece softwares desenvolvidos para este público de forma online e gratuita. A iniciativa surgiu em 2011 na Universidade de Brasília (UnB). Desde então, os 13 sistemas operacionais atualmente disponíveis na plataforma vem contribuindo na educação e no aprendizado de crianças e adultos.

O primeiro software concebido foi o que dá nome ao projeto: Participar. Idealizado por alunos de Licenciatura em Computação da UnB, orientados pelo coordenador do curso, professor Wilson Veneziano, e pela pedagoga Maria Helena Estevão, o “Participar” é uma ferramenta pedagógica de apoio a professores que atuam na alfabetização de jovens e adultos com deficiência intelectual. Após o lançamento, diversas cópias foram distribuídas a escolas públicas e privadas no Brasil e no exterior. Com o tempo, melhorias foram necessárias para o aperfeiçoamento da ferramenta, levando à criação da segunda versão: Participar 2.

Depois do primeiro software inclusivo, a proposta do projeto foi ampliada, e outras iniciativas foram surgindo, até as 13 disponibilizadas no site hoje. Cada sistema operacional tem uma proposta diferente e específica. Os assuntos abordados vão desde a adaptação na cidade para a pessoa autista (“Ambientar Cidade”) até o ensino social da matemática para jovens e adultos com deficiência intelectual (“Somar”).

Em entrevista concedida ao jornal “O Estado de São Paulo”, Veneziano contou um pouco mais sobre a escassez de materiais como os que integram o Projeto
Participar
: “Há uma grande carência de softwares na área, uma vez que as empresas não veem pessoas com a mesma capacidade como um público interessante em termos comerciais”, afirmou.

Todos os softwares da plataforma estão disponíveis para acesso gratuito através do link www.projetoparticipar.unb.br/imprensa.